Características

A orelha (antigamente chamada de ouvido) é dividida em três partes anatômicas: a orelha externa, orelha média e a orelha interna.
A orelha externa consiste em duas áreas anatômicas: o pavilhão auricular e o conduto auditivo externo. Desta forma, o ouvido externo está sujeito às condições patológicas dos tecidos que o compõem: pele, anexos epiteliais, tecidos subcutâneos, cartilagens e osso.

Anatomia do ouvido:

    O ouvido médio (atualmente chamado orelha média) é representado por uma cavidade cubóide = caixa do tímpano, que encontra-se entre a orelha externa e interna com as seguintes paredes:

Superior: tegmen tympani ou teto ósseo separa da fossa média (ou seja, do sistema nervoso central);
Inferior: assoalho ou hipotímpano relaciona parte posterior golfo da veia jugular
Anterior: orifício timpânico da trompa de Eustáquio
Posterior: aditus ad antrum comunica o epitímpano com as céluas mastóides
Lateral: membrana timpânica separa do conduto auditivo externo
Medial: a cápsula ótica, que proteje o ouvido interno (orelha interna);
A tuba auditiva, é uma comunicação entre a orelha média e o nariz, é formada de duas partes: uma óssea e outra cartilaginosa, unidas por um istmo. Dois músculos estão relacionados com as funções tubárias:
– tensor do palato
– elevador do palato
Na caixa do tímpano estão os três ossículos articulados que constituem a cadeia ossicular – materno, bigorna e estribo – transmitindo e amplificando os sons que chegam à membrana timpânica.
Todas essas estruturas são revestidas por mucosa do tipo respiratório, que modifica sua estrutura histológica ciliar e glândular de acordo com a região que reveste ou com as alterações patológicas com as quais passe a conviver.
A orelha interna, localizada na porção petrosa do osso temporal, contém as partes vitais dos órgãos da audição e do equilíbrio, que recebem as terminações dos ramos coclear e vestibular do nervo vestibulococlear (VIII par craniano).
Consiste em três partes principais: o labirinto ósseo ou perilinfático, contendo prilinfa; o labirinto membranáceo ou endolinfático, contendo endolinfa; e, a cápsula ótica ou labiríntica circunjacente.
A endolinfa e a perilinfa transportam ondas sonoras para os órgãos terminais para audição e equilíbrio.

Patologias relacionadas

As perdas auditivas são classificadas de acordo com sua intensidade em leve, moderada, severa ou…

As labirintopatias, popularmente chamadas labirintites, são doenças da orelha interna (labirinto) que podem ser ocasionadas…

Otite média aguda é a inflamação da orelha média que é mais comum nos meses de…

Espécie de tumor benigno do ouvido médio, que geralmente evolui com perda auditiva e secreção,…

Qualquer tipo de objeto de dimensões suficientemente pequenas pode introduzir-se no canal auditivo externo acidentalmente…

Este problema surge após a exposição a alterações muito acentuadas da pressão atmosférica, que podem…

A otosclerose é uma patologia que se caracteriza pela formação de tecido ósseo anómalo na…

Excesso de cera, infecções e lesões do ouvido são causas possíveis do problema. No entanto,…

Tontura é o termo que representa genericamente todas as manifestações de desequilíbrio corporal. As tonturas…

Labirintite é uma afecção que pode comprometer tanto o equilíbrio quanto a audição, porque afeta…

A membrana timpânica que separa o ouvido externo do ouvido médio pode perder a sua…

A perda auditiva é a diminuição da audição com redução da capacidade de percepção dos…

Otite é um termo geral para infecção ou inflamação no ouvido. Os tipos correspondem à…

Agende sua consulta

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu Telefone (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

Especialidades

Nariz
Garganta