• GARANTA RESULTADOS

    DE QUALIDADE

    Realizar um exame bem feito é garantir um resultado confiável e fiel a realidade do paciente, e para isso são necessários equipamentos adequados e profissionais capacitados.
  • TUDO QUE VOCÊ

    PRECISA ESTÁ AQUI

    Aqui somos especialmente capacitados para realizar mais de 100 tipos de exames diferentes de questões relacionadas a problemas no Ouvido, Nariz e Garganta.
  • Audiometria (tipo Von Bekesy)

    O objetivo é diagnosticar problemas auditivos, que podem ser secundários a trauma auditivo ou a perda súbita ou progressiva da audição. Tempo necessário para sua realização: 30 a 45 minutos.

    O paciente é colocado em uma sala sem ruídos provida de um equipamento de audiometria, fones de ouvido, vendas e é orientado a levantar sua mão quando escutar um som. Ele escutará seis sons diferentes, porém com diminuição progressiva do volume de cada um, diminuindo 10 decibéis de cada vez, até que não possa mais escutá-lo.

    O exame é repetido para cada ouvido. Em seguida se retiram os fones de ouvido e é colocada uma venda com um pequeno retângulo plástico, que permite a transmissão óssea dos sons, avaliando se comparativamente os dois ouvidos. Essa transmissão óssea também será avaliada, com os fones de ouvido colocados.

    Finalmente será experimentada a percepção das palavras , elas serão repetidas com os fones de ouvido colocados, para examinar a percepção da fala.

  • Aspiração auricular

  • Audiometria de tronco cerebral (PEATE) BERA

    A audiometria de respostas elétricas do tronco cerebral (B.E.R.A.), tem o objetivo de avaliar a audição periférica e a condução nervosa até o colículo inferior.

    É uma técnica não invasiva e objetiva, que pode ser aplicada em adultos e crianças de qualquer idade. O B.E.R.A. é realizado dentro de uma cabine acústica, e utiliza 3 eletrodos de superfície, colocados na fronte e mastóides. O uso de anestesia é desnecessário em adultos e opcional em crianças.

    O B.E.R.A. consiste em uma série de ondas que refletem a ativação do VIII par de nervo craniano e as estruturas ativas do tronco cerebral, até o colículo inferior.

    Geralmente o B.E.R.A. possui de 5 a 7 ondas positivas com aproximadamente 1 mseg. de distância entre elas.
    A onda I provavelmente representa o potencial de ação global do VIII par craniano. A onda II representa a descarga sincrônica dos neurônios núcleo coclear. As ondas III, IV e V representam o complexo olivar superior, lemnisco lateral e colículo inferior, respectivamente. As ondas VI e VII, por serem de difícil reprodução, não são usadas clinicamente.

    O estímulo pode ser dado através de fones calibrados segundo padrão internacional ou através de caixas acústicas. Os estímulos mais usados são os cliques, mas pode-se também usar o clique filtrado ou tom puro.
    Geralmente, são apresentados 10 estímulos por segundo e em seguida observa-se a resposta elétrica captada que é levada para um sistema composto de um pré-amplificador e um amplificador, e depois para um sistema mediador que soma e tira a média das respostas. O registro das respostas é feito em papel especial, por caneta ou agulha específica.

  • Audiometria Tonal limiar com testes de discriminação

    A Audiometria é um exame indolor e subjetivo (depende da participação do paciente). Tem um papel chave no diagnóstico, localizando e identificando o distúrbio, quantificando o grau de perda auditiva e servindo, ainda, como referencial para outros testes diagnósticos e diversos planejamentos terapêuticos. A Audiometria Tonal Limiar é um exame de determinação dos Limiares Auditivos. Este teste é realizado em cabina acústica com a utilização de tons puros para obter limiares da sensação auditiva. É indicada para indivíduos com queixa de dificuldade de audição, ouvido tampado, zumbido, dor de ouvido, incômodo com o som alto e como prevenção em casos de trabalho em ambiente ruidoso.

  • Audiometria Tonal limiar infantil condicionada (PEEP-SHOW)

    Esse tipo de Audiometria é indicado para crianças menores, nos permite avaliar e determinar o grau de audição da criança (verificar a menor intensidade que a criança escuta), é realizada em crianças de 3 a 5 anos de forma lúdica. É realizado dentro da cabina acústica e com brinquedos de encaixe.

    Esse tipo de exame também é utilizado para pessoas que utilizam prótese auditiva, com o objetivo de medir se aumentou a capacidade auditiva e verificar sua adaptação. A duração do exame é de 40 a 60 minutos.

  • Audiometria Vocal – Pesquisa de limiar de discriminação e iteligibilidade

    A audiometria vocal é um exame de rotina da prática clínica, sendo complementar da audiometria tonal. A audiometria tonal fornece apenas os limiares absolutos de perceção de sons puros (função periférica), enquanto a audiometria vocal determina a compreensão da linguagem (inteligibilidade) e a discriminação (capacidade de discernir os fonemas), testando os sistemas periférico (cóclea) e central (via e centros auditivos). Este exame desempenha um papel fundamental no diagnóstico de determinadas patologias retrococleares (Tumores do acústico, neuropatia/dissincronia auditiva) e na indicação de próteses auditivas.

  • Audiometria Admissional

    O exame de audiometria admissional é realizado antes que o trabalhador assuma suas atividades na empresa que quer contratá-lo. Dependendo da função que o trabalhador irá desempenhar na empresa (e os riscos ocupacionais aos quais estará exposto), é exigido o exame de Audiometria.

    Tais exames serão pedidos para garantir à empresa contratante que o funcionário poderá (ou não) realizar uma determinada atividade laboral (em termos médicos).

  • Audiometria com Reforço Visual (VRA)

    Este teste é mais efetivo para crianças de 6 meses a 3 anos. Preferencialmente, a criança fica em uma sala com tratamento acústico ou cabine acústica, sentada no colo da mãe ou do pai. Duas caixas acústicas, ligadas a um audiômetro, são posicionadas uma de cada lado da criança. A técnica de distração é então utilizada. Quando a criança encontra-se atenta ao avaliador, este apresenta um estímulo sonoro em uma das caixas acústicas e a resposta da criança é seguida da apresentação do estímulo visual, que se constitui de um desenho apresentado em televisão.

    O objetivo do teste é avaliar a audição, obtendo-se limiares através do reforço visual de qualquer comportamento da criança frente ao estímulo sonoro, como, por exemplo, localizar a fonte sonora, piscar, ou arregalar os olhos.

  • Avaliação auditiva comportamental

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Avaliação da percepção da fala

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Cauterização de membrana timpânica (Tubo de ventilação)

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Drenagem de Furúnculo (ouvido)

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Emissão otoacústica com supressão

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Epistaxe – Cauterização (Qualquer Técnica)

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Ganho de prótese auditiva

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Imitanciometria de alta frequência

    Este exame é eficaz na identificação precoce de alterações da orelha externa e média e seu uso está bem estabelecido para crianças e adultos. Porém, para neonatos e lactentes, a literatura recomenda que a timpanometria seja realizada com tom teste de 1000Hz, que tem ter maior sensibilidade para identificar corretamente as disfunções de orelha média nessa população.

  • Impedanciômetro

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Laringoscopia|Traqueoscopia com exerese de pólipo/nódulo/papiloma

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Laringoscopia|Traqueoscopia com retirada de corpo estranho em tubo flexível

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Laringoscopia|Traqueoscopia com retirada de corpo estranho em tubo rígido

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Medidas de imitâncio acústica

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Otoemissões Acústicas produto de distrorção

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Otoemissões Acústicas evocadas transientes

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • PEATE triagem auditiva

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Potencial Evocado auditivo de tronco cerebral (PEA-TC)

    Esse teste é objetivo (não depende da resposta do paciente) e avalia a integridade funcional das vias auditivas nervosas (nervo auditivo) desde a orelha interna até o córtex cerebral. O exame é indolor e não invasivo.

    Sua finalidade:

    Determinar se existe ou não perda auditiva e precisar seu tipo e grau.
    Estimar se a perda auditiva detectada na audiometria tonal é decorrente de uma lesão na cóclea, no nervo auditivo ou no tronco encefálico.
    Pesquisar integridade funcional nas vias auditivas do tronco encefálico.

    Como é realizado?

    A pele atrás das orelhas e na testa é limpa com pasta abrasiva e são fixados eletrodos (com uma fita adesiva antialérgica) nestes locais e ainda são colocados fones.
    O paciente fica deitado, o mais tranqüilo e relaxado possível, com os olhos suavemente fechados e recebe estímulo sonoro através dos fones.
    Sempre que o nervo auditivo e as estruturas do tronco encefálico forem ativados pelo estímulo sonoro, é gerada uma quantidade mínima de eletricidade que é captada pelos eletrodos, registrada no equipamento e interpretada pelo examinador.

  • Remoção de Cerumen (Bilateral)

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Terapia Oromiofuncional

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Teste do Coraçãozinho

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Teste da Orelhinha

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Teste da Linguinha

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Testes qualitativos da audição com audiômetro

  • Vídeo-endoscopia do esfincter velo-palatino com ótica flexível

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Vídeo-endoscopia do esfincter velo-palatino com ótica rígida

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Vídeo-endoscopia naso-sinusal com ótica flexível

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Vídeo-endoscopia naso-sinusal com ótica rígida

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Vídeo-faringo-laringoscopia com endoscópio flexível

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

  • Vídeo-faringo-laringoscopia com endoscópio rígido

    Sua finalidade é verificar a integridade das células ciliadas externas da cóclea e avaliar o funcionamento da orelha interna. Quando as Emissões Otoacústicas Evocadas por Produto de Distorção (EOE/DP) estão presentes pode-se afirmar que as orelhas médias e internas estão íntegras ou também ocorre a possibilidade de uma alteração de grau leve a moderado. Caso as EOE/DP estejam presentes em um indivíduo que tem as Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes ausentes, é muito provável que esse indivíduo tenha uma perda auditiva leve a moderada. Quando as EOE/DP estão ausentes, o resultado é inconclusivo, pois muitos motivos podem levar a isso.
    As alterações diagnosticadas nesse exame podem estar presentes mesmo em indivíduos que apresentam audiometria tonal normal.
    Como é realizado?
    Um aparelho estimula com uma combinação de sons puros a orelha, através de um minúsculo fone.
    Requisitos para realizar o exame:
    O paciente deve estar quieto e não falar durante o exame.

    Indicações:

    Diagnóstico precoce de disfunção coclear, principalmente quando o paciente tem uma audiometria tonal normal.
    Queixa de zumbido.
    Tratamento com drogas que causem perda auditiva (alguns medicamentos utilizados em quimioterapia, hipertensão arterial, antibióticos do grupo dos aninoglicosídeos e outros).
    Auxiliar na informação de problemas no nervo auditivo ou tronco encefálico (retrococleares).
    Prevenção das deficiências auditivas induzidas por ruído.
    Monitorização de cirurgia de orelha interna.
    Prognóstico evolutivo da hidropisia endolinfática ou na doença de Menière.
    Avaliação da audição em pacientes “difíceis” de serem avaliados por métodos subjetivos (inclusive prováveis simuladores na audiometria).

Agende seu exame aqui

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Seu Telefone (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

Serviços

Atendimento ao SUS Cirurgias Otoclin Prime Sleep Studio